Multas de trânsito são reajustadas em 900% - Curso de Instrutor de Auto Escola, Examinador de Trânsito e outros | Trânsito Fácil

Multas de trânsito são reajustadas em 900%

No último sábado, dia 01 de novembro, motoristas que provocarem situações de risco no trânsito estarão sujeitos a pagar mais caro pelas infrações.

Em alguns casos, muito mais caro: o aumento no valor das multas, determinado a partir da sanção presidencial de uma lei que altera 11 artigos do Código Brasileiro de Trânsito, pode chegar a 900%.

Os artigos se referem, principalmente, a ultrapassagens em estradas e a disputas de rachas. As mudanças, conforme o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), podem resultar em mais segurança para motoristas e pedestres, além de preservar a infraestrutura urbana.

Quem for flagrado ultrapassando pelo acostamento, por exemplo, em vez de receber multa de R$ 127,69, como prevê a lei atual, vai passar a pagar R$ 957,70 – valor mais de sete vezes maior.

O bolso é a parte mais sensível do ser humano, por isso há esperança de que a nova lei reduza o número de ocorrências — afirma Rafael Roco de Araújo, doutor em Engenharia com ênfase em Sistemas de Transportes e professor da PUCRS.

Envolvidos em rachas ou corridas não autorizadas também estarão sujeitos a penas mais duras. Atualmente, esses motoristas são condenados a, no máximo, dois anos de reclusão. Com a nova lei, o tempo pode aumentar para seis anos, caso haja lesão corporal, ou para 10, quando resultar em morte.

O projeto foi elaborado em 2007 pelo deputado federal Beto Albuquerque (PSB-RS) e sancionado em maio pela presidente Dilma Rousseff. A mortes por acidentes de trânsito no Brasil aumentaram 41,7% em 10 anos, segundo o Mapa da Violência 2013, divulgado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-americanos (Cebela).

Ainda que o Rio Grande do Sul tenha caído de 18º para 21º no ranking, houve aumento de 16,9%.

As multas estão defasadas há muito tempo. Exalto a maior severidade principalmente em relação às ultrapassagens, que podem acabar em choques frontais. Levando em conta a velocidade com que esses veículos transitam, quase sempre há mortos ou, pelo menos, feridos — diz João Fortini Albano, professor de Engenharia de Produção e Transportes da UFRGS.

Fonte: Luísa Martins – Zerohora

Gostou deste artigo?

Inscreva-se em nossa mala direta

e receba nossos conteúdos periodicamente em seu e-mail

SOLICITAR INFORMAÇÕES

Nome (Obrigatório)

E-mail (Obrigatório)

Telefone (Obrigatório)

Agenda de cursos

Realizar minha inscrição

Nome Completo (obrigatório)

Sexo (obrigatório)

CPF (obrigatório)

Número Registro da CNH (obrigatório)

Categoria CNH (obrigatório)

Escolaridade (obrigatório)

Data de Nascimento (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Telefone

Celular

Endereço (obrigatório)

Cidade (obrigatório)

Estado (obrigatório)

Como soube do curso?

Período do Curso (obrigatório)

captcha

Preencha os caracteres acima