Multas de trânsito são reajustadas em 900%

No último sábado, dia 01 de novembro, motoristas que provocarem situações de risco no trânsito estarão sujeitos a pagar mais caro pelas infrações.

Em alguns casos, muito mais caro: o aumento no valor das multas, determinado a partir da sanção presidencial de uma lei que altera 11 artigos do Código Brasileiro de Trânsito, pode chegar a 900%.

Os artigos se referem, principalmente, a ultrapassagens em estradas e a disputas de rachas. As mudanças, conforme o Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), podem resultar em mais segurança para motoristas e pedestres, além de preservar a infraestrutura urbana.

Quem for flagrado ultrapassando pelo acostamento, por exemplo, em vez de receber multa de R$ 127,69, como prevê a lei atual, vai passar a pagar R$ 957,70 – valor mais de sete vezes maior.

O bolso é a parte mais sensível do ser humano, por isso há esperança de que a nova lei reduza o número de ocorrências — afirma Rafael Roco de Araújo, doutor em Engenharia com ênfase em Sistemas de Transportes e professor da PUCRS.

Envolvidos em rachas ou corridas não autorizadas também estarão sujeitos a penas mais duras. Atualmente, esses motoristas são condenados a, no máximo, dois anos de reclusão. Com a nova lei, o tempo pode aumentar para seis anos, caso haja lesão corporal, ou para 10, quando resultar em morte.

O projeto foi elaborado em 2007 pelo deputado federal Beto Albuquerque (PSB-RS) e sancionado em maio pela presidente Dilma Rousseff. A mortes por acidentes de trânsito no Brasil aumentaram 41,7% em 10 anos, segundo o Mapa da Violência 2013, divulgado pelo Centro Brasileiro de Estudos Latino-americanos (Cebela).

Ainda que o Rio Grande do Sul tenha caído de 18º para 21º no ranking, houve aumento de 16,9%.

As multas estão defasadas há muito tempo. Exalto a maior severidade principalmente em relação às ultrapassagens, que podem acabar em choques frontais. Levando em conta a velocidade com que esses veículos transitam, quase sempre há mortos ou, pelo menos, feridos — diz João Fortini Albano, professor de Engenharia de Produção e Transportes da UFRGS.

Fonte: Luísa Martins – Zerohora

Gostou deste artigo?

Inscreva-se em nossa mala direta

e receba nossos conteúdos periodicamente em seu e-mail

O que você precisa?


Nome (Obrigatório)

E-mail (Obrigatório)

Telefone (Obrigatório)

Nome Completo (obrigatório)

Sexo (obrigatório)

CPF (obrigatório)

Categoria CNH (obrigatório)

Escolaridade (obrigatório)

Data de Nascimento (obrigatório)

E-mail (obrigatório)

Telefone

Celular

Endereço (obrigatório)

Cidade (obrigatório)

Estado (obrigatório)

Como soube do curso?

Período do Curso (obrigatório)

captcha

Preencha os caracteres acima